terça-feira, 30 de julho de 2013

Ipea: MA continua liderando a miséria no País



    blog do Garrone                    
                           O maranhense continua com os piores índices de desenvolvimento humano do País


O Maranhão sob o domínio da família Sarney continua a reinar na miséria, e mais uma vez ocupa as últimas colocações no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado na tarde desta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea.
Estamos em penúltimo lugar, à frente apenas do estado de Alagoas. O estado do Piauí já nem nos olha mais pelo retrovisor!
O Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 (clik :veja aqui e confira no site oficial estabele valores que variam de 0 a 1 para classificar o desempenho de cada unidade da federação. O Maranhão alcançou 0,639 contra 0,631 do estado de Alagoas.
Segundo o Atlas, dois terços dos 5.565 municípios brasileiros estão na faixa de desenvolvimento humano considerada alta ou média. Ao mesmo tempo, a porcentagem de municípios na classificação “muito baixa” caiu de 85,5% em 1991 para 0,6% em 2010.
O IDHM(índice de desenvolvimento humano municipal) médio do país subiu. Entre 1991 e 2010, o índice cresceu 47,5% no País, de 0,493 em 1991 para 0,727 em 2010 – quanto mais próximo de 1, maior é o desenvolvimento.
Fernando Falcão e Marajá do Sena entre os piores do País

As cidades com notas mais próximas de 1 no IDHM são São Caetano (SP, com índice 0,862), Águas de São Pedro (SP, com 0,854) e Florianópolis (SC, com 0,847).
Os piores índices foram registrados em Melgaço (PA, com 0,418) e Fernando Falcão (MA, com 0,443). Na “lanterna” do desenvolvimento municipal também Marajá do Sena (MA), com 0,452.
Para calcular o desenvolvimento da qualidade de vida de cada estado, são levados em consideração os índices educacionais, de expectativa de vida e de renda da população de cada estado e município.
O Atlas do Desenvolvimento Humano brasileiro contém, além do IDH dos municípios brasileiros, outros 180 indicadores socioeconômicos, com base em dados do Pnud, do Ipea, da Fundação João Pinheiro e do IBGE (Censo 2010), levando em conta itens como demografia, educação, renda, desigualdade social, e acesso a serviços básicos.
O Brasil avança e deixa patamar  ”muito baixo”  do IDHM
O IDHM é um índice composto por três indicadores de desenvolvimento humano: vida longa e saudável (longevidade), acesso ao conhecimento (educação) e padrão de vida (renda).
  Avançamos, mas ainda somos um País de miseráveis
Avançamos, mas ainda somos um País de miseráveis
O Brasil passou de um patamar “muito baixo” (0,493 em 1991) para um patamar “alto” (0,727) de desenvolvimento social. O que mais contribuiu para esse índice foi o aumento na longevidade (a expectativa de vida da população subiu de 64,7 anos para 73,9 anos). Também houve aumento na renda, de 14,2% ou (R$ 346,31) no período.
Entre os três indicadores que compõem o IDHM, o que mais contribuiu para a pontuação geral do Brasil em 2013 foi o de longevidade, com 0,816 (classificação “desenvolvimento muito alto”, seguido por renda (0,739; “alto”) e por educação (0,637; “médio”).
Apesar de educação ter o índice mais baixo dos três, foi o indicador que mais cresceu nos últimos 20 anos: de 0,279 para 0,637 (128%).
       

Marajá do Sena (Foto: O Globo) entre os piores municípios do País

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge