quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Massacre:Mais de 500 mortos em repressão no Egito

                             

Maioria das vítimas da repressão a islamitas são civis, diz governo.
Comunidade internacional condenou o massacre e o estado de emergência.


                    15/8 - Egípcios tomam conta dos corpos de familiares e amigos em uma mesquita onde corpos de vítimas da véspera foram reunidos, no Cairo (Foto: Mahmoud Khaled/AFP)
A violenta dispersão dos acampamentos de manifestantes no Cairo que exigiam o retorno do presidente deposto Mohamed Morsi ao poder e os confrontos espalhados pelo Egito deixaram pelo menos 525 mortos, 482 deles civis, segundo um novo balanço oficial divulgado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (15).
Este foi o dia mais violento desde a revolta que derrubou o ditador Hosni Mubarak do poder, no início de 2011.
De acordo com o porta-voz, 137 pessoas morreram na praça Rabaa al-Adawiya do Cairo, principal área ocupada pelos manifestantes que exigiam o retorno ao poder do presidente islamita destituído em 3 de julho pelo exército.
Em outra praça, Al-Nahda, um pouco menor e também ocupada há um mês e meios pelos partidários de Morsi, 57 pessoas morreram na quarta-feira.
As outras 227 mortes aconteceram no restante do país, segundo a mesma fonte.
As duas praças foram invadidas e violentamente desalojadas na quarta-feira pelas forças de segurança e pelo exército.
Após os confrontos, o exército instaurou
estado de emergência durante um mês no país, com um toque de recolher no Cairo e em metade do Egito, das 19h (14h0 de Brasília) às 6h (1h).
O governo do Egito anunciou ainda o fechamento por tempo indeterminado da passagem de fronteira com o território palestino da Faixa de Gaza.
Centenas de trabalhadores palestinos atravessam todos os dias a passagem de Rafah, na península do Sinai.
Depois do início da operação policial contra os acampamentos, a Irmandade Muçulmana, grupo ao qual Morsi é ligado, convocou seus partidários para que fossem às ruas de todo país, fato que desencadeou intensos confrontos com as forças da ordem e opositores do líder deposto.
O massacre gerou fortes protestos da comunidade internacional, com EUA, União Europeia e ONU à frente.
Do G1, em São Paulo





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge