quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Pescador diz que viu homem jogar objeto em rio onde Joaquim foi encontrado

             
Um pescador, que estava no rio Pardo, viu um homem jogando um objeto na água na madrugada da terça-feira da semana passada (5), quando
De acordo com a testemunha, o lugar onde algo foi jogado fica nas margens do rio Pardo ao lado da ponte da rodovia Cândido Portinari, que liga Ribeirão Preto à Franca, cidades no interior de São Paulo. O pescador Anderson Paiva conta o que viu no dia do desaparecimento da criança.
 Chegou um carro e parou com o farol aceso. A pessoa desceu [do banco] do passageiro. Em seguida, abriu um pano e jogou no rio. Ainda falei: "Pô, filho, eu tô pescando, você vai jogar animal no rio?"

A testemunha acredita que o homem pode ser Guilherme Longo, padrasto de Joaquim e principal suspeito da morte do menino.
— É homem, com uma jaqueta vermelha. Ele jogou um negócio branco no rio e saiu cantando pneu.
No dia em que Joaquim desapareceu, o padrasto foi à delegacia usando uma jaqueta vermelha. Nesse dia, ele prestou depoimento pela primeira vez. O corpo de Joaquim foi encontrado no último domingo (10), cinco dias depois, por pescadores, no mesmo rio em Barretos, a 150 km de distância.

Apesar da suspeita de que o menino foi jogado no córrego perto da casa onde vivia com a mãe e o padrasto, a polícia não descarta a possibilidade de que o corpo possa ter sido trazido até o rio Pardo. Segundo o delegado Paulo Henrique Castro, responsável pelo caso, essa testemunha ainda não faz parte do processo de apuração.
— Vai ser intimada para esclarecer o que presenciou e se tem alguma relação com o crime.
Dois vídeos, ainda não divulgados pela polícia, podem comprometer Guilherme Longo. Segundo o delegado que investiga o caso, uma das imagens mostra um homem de madrugada carregando um pacote enrolado em um lençol na rua da residência do casal. Outro vídeo revela um carro saindo da garagem dos pais do suspeito. Os pais moram a 200 metros da casa do filho. Pela imagem, não é possível ver quem dirige.
O pescador afirma que não falou antes por medo. Ele diz que já procurou a polícia e está à disposição do delegado.
Assista ao vídeo:


Joaquim Pontes Marques, de três anos, sumiu de casa em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, durante a madrugada. Ele morava com mãe, o padrasto e um irmão, de quatro meses, filho do casal. A mãe, Natália Mingoni Ponte, percebeu que ele não estava no quarto logo cedo. O portão da casa estava trancado e a polícia não encontrou sinais de violência 

                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge