segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Fluminense no tapetão consegue vaga na Serie A

                             
Em campo, a Portuguesa conseguiu continuar na elite do Campeonato Brasileiro, mas não nos tribunais. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) apontou por unanimidade a punição à Lusa, que perdeu quatro pontos devido à escalação irregular de Héverton na última rodada e, assim, terá que jogar a segunda divisão, mantendo o Fluminense na primeira. A decisão foi em primeira instância e cabe recurso.
A Portuguesa tem sete dias para recorrer da decisão e deve fazê-lo. O novo julgamento, provavelmente no dia 27, seria feito pelo Pleno do STJD, com mais auditores na análise do caso, e será a última instância. O que pesou contra o clube paulista, contudo, foi que a avaliação ocorreu na aplicação simples do regulamento.
A Portuguesa foi punida com a perda de três pontos e mais o ponto que conquistou no empate com o Grêmio, pela última rodada, quando Héverton foi escalado dois dias após o STJD puni-lo com a suspensão de duas partidas – ou seja, teria que cumprir a última naquele jogo. O clube ainda recebeu multa de R$ 1.000,00.
Em longo discurso, o auditor relator do caso, Felipe Bevilacqua, citou outros casos similares ao longo do mundo, envolvendo seleções ou times, para votar pela punição da Lusa. Os três auditores acompanharam seu parecer, penalizando o clube por unanimidade.
Em sua defesa, a Portuguesa contou com o advogado João Zanforlin, que chamou o diretor jurídico da Lusa, Valdir Rocha da Silva. O dirigente disse que confiou no site da CBF, que, segundo ele, não foi atualizado até a véspera do jogo, e que o advogado que representou o clube no caso, Osvaldo Sestário, não entrou em contato com o clube no dia do julgamento, o que, de acordo com Valdir, era a sua dinâmica para quando havia absolvição.
Quem também participou foi o presidente da Portuguesa, Manuel da Lupa. O mandatário disse ter telefonado para Sestário na última terça-feira e, na conversa, o advogado se disse responsável pelo erro e até traumatizado pelo que ocorreu, além de insistir que o site da CBF não estava atualizado.
Após os depoimentos e da procuradoria insistindo na punição à Lusa, Zanforlin fez discurso emocional no qual proferiu até palavrões. “Se os clubes não podem se basear no site da CBF, vão se basear em quê? O Héverton pegou na bola por 1 minutos e 47 segundos em um jogo que não valia nada. Roubar a Portuguesa da Série A é pior do que dar uma injeção tão grande para matar a pulga que matam o cachorro. Mudar o resultado no campo a quatro meses da Copa do Mundo é uma violência moral. O rebaixamento da Portuguesa é o rebaixamento do direito, é a instituição da mutreta”, disse o advogado da Portuguesa.
Já o advogado do Fluminense, Mário Bittencourt, fez um discurso ainda mais inflamado. “O que parte da opinião pública quer fazer nesta semana é achincalhar a história do Fluminense. Não é por rebaixar a Portuguesa ou para manter o Fluminense, é a aplicação da regra. Pura e simplesmente isso. Antes do princípio de moralidade, existe o princípio da legalidade. Estão querendo descumprir o regulamento para rebaixar o Fluminense.”

Gazeta esportiva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge