sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Manifestantes pedem intervenção federal no sistema carcerário do MA

Jornal Pequeno
                  protesto1
Cerca de 200 pessoas foram às ruas nesta sexta-feira (10), em São Luís, para pedir a intervenção federal no sistema carcerário do Maranhão. A manifestação teve concentração em frente à Biblioteca Benedito Leite, no Centro, e seguiu em direção à sede do Executivo Estadual, o Palácio dos Leões.
protesto1
Manifestantes seguiram pelas ruas do Centro até o Palácio dos Leões (Foto: Jade Bonna/G1)
O grupo também reivindica mais segurança na cidade, sob alegação de que o efetivo policial é pequeno no estado.
Na Avenida Gomes de Castro e na Rua do Passeio, o trânsito ficou comprometido por conta da manifestação. Guardas da Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) precisaram auxiliar o fluxo de veículos para garantir a fluidez no trânsito. A manifestação também passou pela Rua Grande, principal centro comercial da capital maranhense.
Antes da chegada dos manifestantes, o acesso ao Palácio dos Leões foi fechado.
A mobilização ocorre em meio à crise no sistema penitenciário do estado. Na semana passada, uma onda de ataques na capital maranhense, deflagrada de dentro do presídio, resultou na morte da menina Ana Clara, de 6 anos, que teve 95% do corpo queimado em um atentado a ônibus, na Vila Sarney Filho. Outras quatro pessoas ficaram feridas e foram internadas, e quatro ônibus foram incendiados. Duas delegacias foram alvejadas na capital. Desde domingo, 22 pessoas foram detidas por suspeita de envolvimento nos ataques, entre elas seis menores.
palacio
Acesso ao Palácio dos Leões foi fechado nesta sexta-feira (10) (Foto: Jade Bonna/G1)
Para tentar conter a situação, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou nessa quinta-feira (9), em São Luís, a elaboração de um plano emergencial. Ao todo, serão 11 medidas. Entre elas, está a criação de um comitê gestor, gerido pela governadora Roseana Sarney e supervisionado pelo governo federal, que prevê ações integradas entre Executivo, Legislativo e Judiciário.
Além disso, o plano, que terá medidas implantadas anteriormente em outros estados, também prevê a remoção de presos; a realização de mutirão de defensores públicos para analisar caso a caso a situação de detentos; plano de ação integrada de inteligência prisional; implantação de núcleo de atendimento a familiares de presidiários (saúde, assistência psicológica); integração do Ministério Público e Poder Judiciário; implantação de plano de atendimento e capacitação para policiais que estão envolvidos diretamente em ações de segurança; penas alternativas; e monitoramento; além da construção de novas unidades prisionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge