segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Imprensa faz ato em homenagem a cinegrafista atingido por rojão no Rio

G1 RJ
Cinegrafistas e fotógrafos se solidarizam ao colega Santiago Andrade, morto após ser atingido por um rojão durante protesto no Rio de Janeiro (Foto: Daniel Silveira/ G1)
Jornalistas de vários veículos da imprensa oficial e de mídias independentes se reuniram no fim da tarde desta segunda-feira (10) na Candelária, no Centro do Rio, para homenagear o repórter cinematográfico Santiago Ilídio Andrade, 49 anos, que teve morte cerebral nesta manhã após ser atingido por um rojão enquanto fazia a cobertura de um protesto. Câmeras fotográficas e filmadoras foram colocadas no chão e, em seguida, uma salva de palmas saudou a memória do profissional. "Poderia ter sido com qualquer um de nós", lembrou um dos jornalistas que participou do ato.
A concentração estava marcada para acontecer no Largo Duque de Caxias, ao lado da Central, palco do ataque sofrido por Santiago Andrade. Ele foi atingido na cabeça por um rojão disparado por manifestantes. "Vamos nos proteger e proteger uns aos outros", disse um dos jornalistas antes de seguirem todos para a cobertura.Da Candelária, os profissionais da imprensa seguiram para a Central do Brasil para registrar mais uma manifestação popular contra o aumento das tarifas de ônibus no Rio. Ao chegarem no exato local onde Santiago foi atingido, fizeram uma roda e prestaram nova homenagem.
Nova manifestação
Outro protesto, convocado por redes sociais, contra o aumento das passagens de ônibus, começou por volta das 18h30 na Central do Brasil, e interditava duas pistas da Avenida Presidente Vargas no horário. O grupo ia em direção à Candelária.

Morte cerebral
O cinegrafista da TV Bandeirantes foi atingido na cabeça por um rojão quando registrava o confronto entre manifestantes e policiais durante protesto contra o aumento da passagem de ônibus, no Centro do Rio. Nesta segunda, ele teve constatada a morte cerebral.
Andrade sofreu afundamento do crânio e foi submetido a uma cirurgia após ser levado para o Hospital Souza Aguiar. Desde então, estava em coma induzido no Centro de Terapia Intensiva da unidade.
A explosão foi registrada por fotógrafos, cinegrafistas e câmeras de vigilância instaladas nas proximidades da Central do Brasil.

Após a divulgação das imagens, Fábio Raposo se apresentou na 16ª DP (Barra da Tijuca) e disse à polícia ter passado o rojão ao homem que acendeu o artefato que atingiu o cinegrafista. No depoimento na 17ª DP (São Cristóvão), o rapaz disse não conhecer o suspeito de lançar o rojão em meio à manifestação.
                      


No domingo (9), após ter o mandado de prisão expedido pela Justiça do Rio, Raposo foi detido em casa. Ele foi levado na manhã desta segunda para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.
O advogado Jonas Tadeu Nunes, responsável pela defesa de Raposo, entregou à polícia, na tarde desta segunda-feira, o nome, o codinome e o CPF do autor do disparo do rojão.
A mulher do cinegrafista, Arlita Andrade, fez um desabafo no domingo, em entrevista exclusiva à TV Globo, e disse que "falta amor" às pessoas responsáveis por ferir gravemente seu marido. A declaração foi dada antes da divulgação da morte cerebral do cinegrafista. "Eles destruíram uma família. Uma família que era unida, muito unida mesmo”, lamentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Badge