segunda-feira, 3 de junho de 2019

Satélite vai potencializar internet no Maranhão


                Resultado de imagem para acesso a internet
O Maranhão poderá ganhar, nos próximos meses, mil novos pontos do Gesac (Governo Eletrônico - Serviço de Atendimento ao Cidadão), um programa do governo federal que é coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), em parceria com os ministérios da Educação e da Saúde. 

O Gesac oferece conexão à internet em banda larga, gratuitamente, por meio do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), visando a promoção da inclusão digital em todo o país. E prioriza comunidades vulneráveis - quilombolas, indígenas, localidades ribeirinhas, municípios pobres. 

De acordo com a assessoria de Comunicação do MCTIC, até o mês de agosto serão 6.5000 escolas rurais atendidas pelo programa. A expectativa do governo é contabilizar 10 mil escolas e mais de 3 milhões de alunos até o fim do ano. 

Maranhão na net

O Maranhão é um dos estados com mais pontos do programa. Parlamentares da bancada federal começaram a se mobilizar sobre o tema. O deputado Pedro Lucas Fernandes (PTB) já procurou o Palácio do Planalto pedindo a liberação do satélite (o SGDC) e para destravar o programa, que está parado no Ministério da Ciência e Tecnologia. Na Telebrás, ele pediu a instalação de novos pontos. 

Durante sua visita ao Maranhão, no início de abril, o ministro Marcos Pontes afirmou que o estado é o que tem mais pontos instalados do programa de acesso a internet por satélite. Disse que ao atingir com o sinal do satélite, o total de 521 pontos remotos, foi possível dar acesso digital a 135.512 alunos no interior do estado. O programa, segundo ele, beneficia 470 escolas do estado.

O ministro garantiu avanços. "Isto não vai parar por aqui. As coisas vão aumentar. Isso vai aumentar, pois tem muita coisa a ser feita na área de comunicação e que a ciência e a tecnologia podem oferecer", ressaltou Pontes a um grupo de políticos e joranalistas de São Luís. 

Fonte: Jornal Pequeno

Nenhum comentário:

Postar um comentário